I feel, therefore I am A study on the meaning of emotions and their functions

Main Article Content

Adriana Montheiro

Abstract

This paper appeared originally in Portuguese as Sinto, logo Sou - um estudo sobre o significado das emoções e suas funções. Revista Brasileira de Análise Transacional XXI, 2011, n.1, 29-41 and is reproduced here by kind permission of UNAT-BRASIL - União Nacional de Analistas Transacionais – Brasil.


Emotion is not a concept that can be accurately defined, even if in ordinary language it refers to affective states. The theory of transactional analysis, created by Berne and developed by his followers, is impregnated with the concept of emotion. In order to bring more light to these questions, the present article discusses the biopsychology of emotions, considering their objectives and functions, considering the influence of neuroscience. We also refer to authors who did a theoretical review of transactional analysis from the perspective of biology and the mind, such as Allen and Hine. We have also included authors with a body approach such as Reich and Levine for their significant contributions both to understanding how the scripting system is embedded in the body, and to consider the possibility of developing a systematic body approach within Adult decontamination methodology. We conclude that there are no destructive emotions. Destructive is the way one learns to deal with feelings, with sensations and emotions. And working on emotions is working on lifescript.

Article Details

How to Cite
Montheiro, A. (2020). I feel, therefore I am. International Journal of Transactional Analysis Research & Practice, 11(1), 58-63. https://doi.org/10.29044/v11i1p58
Section
Articles
Author Biography

Adriana Montheiro

Dra Adriana Montheiro is a Neuropsychologist with a Masters degree in Education in Health and Environ- mental Sciences. She is a Director of PsyAtiva.

References

Allen, J. (1996) Biologia e Análise transacional: integração de uma área negligenciada. Revista Brasileira de Análise Transacional. São Paulo: ano VI, no 1, junho.

Allen, J. (1998) Biologia e Análise transacional II: um apanhado analítico sobre neurodesenvolvimento. Revista Brasileira de Análise Transacional. São Paulo: ano VIII, no 1, junho

Bear, M., Connors, B. & Paradiso, M. (2002) Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 2a edição. Porto Alegre: Artmed.

Berne, E. (1985) Análise Transacional em psicoterapia. São Paulo: Summus

Berne, E. (2007) O que voce diz depois de dizer olá: a psicologia do destino. São Paulo: Nobel.

Berne, E. (2008) Intuição e estados de ego. São Paulo: Publicação de circulação restrita da União Nacional dos Analistas Transacionais - UNAT-BRASIL, 2008. Original Intuition and Ego States. San Francisco: TA Press 1977.

Damásio, A. (1995) O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. 11a edição. Portugal: Publicações Europa- América.

Damásio, A. (2000) O mistério da consciência: do corpo e das emoções ao conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras.

Damásio, A. (2004) Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das Letras.

Erskine, R. & Zalcman, M. (2006) Os sistemas de disfarce. In Prêmios Eric Berne. Porto Alegre: União Nacional dos Analistas Transacionais - UNAT-BRASIL.

Goleman, D. (1995) Inteligência emocional. A teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. 15a edição. Rio de Janeiro: Objetiva.

Goleman, D. (Ed) (1999). Emoções que curam: conversas com o Dalai Lama sobre mente alerta, emoções e saúde. Rio de Janeiro: Rocco

Goleman, D. (2006) Inteligência social: o poder das relações humanas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Greenspan, S. I. & Benderly, B. L. (1999) A evolução da mente: as origens da inteligência e as novas ameaças a seu desenvolvimento. São Paulo: Record.

Hine, J. (2004) Estruturas cerebrais e Estados de Ego. Revista Brasileira de Análise Transacional. Porto Alegre: Ano XIV- no 1.

Ledoux, J. (1998) O cérebro emocional. Rio de Janeiro: Objetiva.

Levine, P. (1999) O despertar do tigre: curando o trauma. São Paulo: Summus.

Maclean, P. (1984) Evoluzione del cervello e comportamento umano: studi sul cervello trino. Torino: Giulio Einaudi Editore.

De Marchi, L. (1970) Wilhelm Reich: biografia de uma Idea. Milán, Sugar Editore.

Maturana, H. (2002) Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Mellor, K & Schiff, E. (2006) Redefinição. Prêmios Eric Berne. Porto Alegre: União Nacional dos Analistas Transacionais-UNAT-BRASIL.

Montheiro, A. (2009) Comunicação e educação emocionais: oficinas para educadores. Dissertação (Mestrado) – Centro Universitário Plínio Leite, Niterói

Moyers, B. (Ed.). (1995) A cura e a mente. Rio de Janeiro: Rocco.

Pert, C. (1995) Os comunicadores químicos In: MOYERS, Bill (org.). A cura e a mente. Rio de Janeiro: Rocco.

Pert, C. (1999) Molecules of emotion: why you feel the way you feel. USA: Touchstone Book.

Odent, M. (2002) A cientificação do amor. Florianópolis: Saint Germain

Reich, W. (1986) Análisis Del Carácter. 3a edição. Barcelona: Paidós Studio.

Reich, W. (1988) A função do orgasmo. 14aedição. São Paulo: Brasiliense.

Rossi, E. L. (1997) A Psicobiologia da cura mente-corpo: novos conceitos de hipnose terapêutica. 2a edição. Campinas: Editorial Psy.

Steiner, C. (2001) Educação emocional. Rio de Janeiro: Objetiva.

Valzelli, L. (1983) Psicobiologia de La agresion y la violencia. Madri: Alhambra Universidad.